Site de Poesias

Menu

CLEMÊNCIA!

 

 

O Céu está em chama! 

Bem na hora que o justo clama.

Ouve-se um murmúrio.

Entre lábios apertados.

Piedade Oh Pai Amado.

Meu coração está sufocado.

Pelo tempo de vida de Injúrio.

Sei que Tu me Ama.

Por isso vem ver e ouvir.

Desde agora ao tempo do porvir.               

 

 

As noites são agitadas.

Já não da mais para dormir.

A cada passo que dou.

Já não sei se vou prosseguir.

O tempo está deserto.

Já não vejo nenhum Anjo.

Voando no Espaço por perto.

Será que estou sozinho por certo?

Minha alma está angustiada.

Não me deixe eu sucumbir.       

 

 

A cada lado que vou.

Há sempre alguém me espreitando.

Da a imprensão de que.

Estão me espionando.

Até onde eu moro, aquele sujeito.

Com suas malicias e maldades.

Vive sempre me incomodando.

O que ele pensa que sou?

Não sei o que ele pensa.

O que eu penso é que faz a diferença!        

 

 

Minha manhã de Sol e Calor.

Já Acordo de Bom Humor.

Mesmo sabendo de nada.

Vem ele com sua indiscrição.

Querendo argüir meu coração.

Com sua Língua de Tramela.

Como muita imundícia.

Fervendo em uma panela.

Por mais um dia eu te peço Paciência!

Essa é minha humilde Clemência!

 

VALDIR PINTO!

 

 

 

 

 

CLEMENCY! "

 


 
 
The Sky is in flame!
 
Well in the hour that just clama.
 
A grumble hears.
 
Between pressed lips.
 
Oh mercy Loved Father.
 
My heart is suffocated.
 
For the time of life of Injúrio.
 
I know that Love You me.
 
Therefore it comes to see and to hear.
 
Since now to the time of the future.   
 
 
 
 
 
The nights are agitated.
 
Already not of more sleeping.
 
To each step that I give.
 
Already I do not know if I go to continue.
 
The time is desert.
 
Already I do not see no Angel.
 
Flying in the Space for close.
 
It will be that I am alone for certain?
 
My soul is overwhelming.
 
Me I do not leave to lose.
 
 
 
 
 
To each side that I go.
 
He always has observing somebody me.
 
Of a imprensão of that.
 
Spying on they are me.
 
Until where I live, that citizen.
 
With its you vitiate and badnesses.
 
It always lives bothering me.
 
What it thinks that I am?
 
I do not know what it thinks.
 
What I think is that it makes the difference!
 
 
 
 
 
My morning of Sun and Heat.
 
Already Agreement of Good Mood.
 
Exactly knowing you are welcome.
 
It with its indiscretion comes.
 
Wanting to argue my heart.
 
With its Language of Tramela.
 
As much imundícia.
 
Boiling in a pan.
 
For plus one day I ask for Patience to you.  

 
This is my humble Clemency!

 


 

 

 

VALDIR YOUNG CHICKEN!

 

 

 

 

 

Compartilhar

NESTA POESIA! O POETA FAZ UMA CLEMÊNCIA AOS CÉUS POR UMA SITUAÇÃO CONFLITANTE E INDELICADA, QUE PASSOU EM UM LOCAL ONDE MORAVA! UM CERTO FULANO QUE DIZIA-SE AMIGO, MAS QUERIA SIM CONTROLAR TODOS OS SEUS PASSOS E FAZIA JULGAMENTOS À RESPEITO DE SUA PESSOA! FOI TANTO BAIXO ASTRAL POR PARTE DESSA PESSOA QUE O POETA DISSE! ATÉ NUNCA MAIS!

Valdir Pinto
02/03/2010

  • 0 comentários
  • 133 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados