Site de Poesias

Menu

A BENÇÃO DO ESQUECIMENTO

A BENÇÃO DO ESQUECIMENTO
Por: William Vicente Borges

Não chore mais por mim
eu não mereço
comece a fabricar
novas lembranças
de novos sentimentos
de novos momentos
de novos rumos

A vida tem seus recomeços
eu recomecei
recomeçe também
viva!
não lembre mais do ontem
ontem foi bom
foi bom e durou
e durou o que haveria de durar

Não entre na paranóia de pensar
em premeditações
o que aconteceu aconteceu e pronto
eu sofri como você sofreu
só que eu esqueci
e você não esqueceu
e enquanto não esquecemos
revivemos os bons momentos
que por não existirem mais
se tornam sofrimentos

Não pense que só você se doou
eu me doei também
me doei de corpo, alma espírito
e poesia
porém não fui forte o bastante
para pensar que você suportaria
e então tudo terminou como deveria

O esquecimento muitas vezes
é uma grande benção
nos permite olhar para fente
nos permite ter novos sonhos
nos permite amar de novo
E esquecer não significa só não lembrar
significa acima de tudo
não sentir
nem amor e nem ódio
apenas não sentir
só isso
Eis o segredo de quem
aprendeu a perdoar

Não pense que não carrego a saudade
ela está lá naquela caixinha de segredos
na última gaveta do coração
junto com coisas especiais
e de vez enquando nos esbarramos nela
e aí sempre uma lágrima rola
por que afinal de contas
não dá pra esquecer
que o amor existiu e foi intenso
mas isto
só de vez enquando


...................
Verão de 2010

Compartilhar
WILLIAM VICENTE BORGES
17/02/2010

  • 0 comentários
  • 210 visualizações neste mês
  • sob licença creative commons
    Você pode distribuir este poema, desde que:
    • Atribua créditos ao seu autor
    • Não use-o comercialmente
    • Distribua-o sob essa mesma licença