Site de Poesias

Menu

PRISINEIRO


         Benedito C.G.Lima
 
Sou prisioneiro do contexto
- gaiola da existência -
cujo guardião lanço as chaves
no portão da solidão.
Não rezo
Não choro
Não brinco
E as palavras cruzadas
estabelecem o xadrez invisível
do qual não posso me arredar.
E a sentença é ad-perpetuam.
 

Compartilhar
benedito c.g.lima
19/01/2010

  • 1 comentário
  • 648 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados