Site de Poesias

Menu

Comentários da Poesia "I N S E P A R Á V E I S"

de EDILOY A C FERRARO

Gostaria de deixar seu comentário?

Comentários

ATENÇÃO: Os comentários aqui registrados não representam a opinião da equipe do Site de Poesias, nem mesmo recebem o seu aval. A responsabilidade pelo conteúdo dos comentários é inteiramente do autor dos mesmos. Ao poeta é reservado o direito de remover os comentários de seus poemas, quando achar por bem fazê-lo.


Você escreveu muito bem. A compreensão de quem somos é extremamente importante.
Maria

18/01/2010

Querido Ediloy!

Fantasmas, quem não os tem?
Vivemos envoltos em lembranças boas ou más que nos irriquietam como tempestades cotidianas e aprendemos a viver com os fantasmas que nos atormentam.
Difícil exorcizá-los, mais fácil contê-los!
Parabéns pela obra!

Beijos...

PS: Estive ausente devido às férias. Saio novamente dentro de uma semana. Retorno minhas atividades internéticas em fevereiro, quando tudo volta à normalidade da vida.
Priscila Brandão

15/01/2010

E pelo visto, em versos mais que precisos, ( e imprevistos) formam contigo uma pareceria e tanto, poeta! :) Sempre parabéns :) Abraços.
*Célia de Lima*

13/01/2010

Boa Tarde Poeta!

Adorei seus versos!
A nossa mente tem uma capacidade de guardar e crias fan-
tasmas.
As coisas tristes são fantasmas que nos acompanham para
sempre.
Melhor mesmo é guardar só os fantasmas alegres rsrs.

Abraço.

?Carolina
Carol Carolina

12/01/2010

Bom dia!

Nada melhor que se entregar por inteiro as sensações de Ser e estar, sentir a presença do amor e sonhar...belo!

Parabéns!
Bjos
Xama

12/01/2010

Os fantasmas acompanham-nos sempre para todo o lado. São como pequenos pedaços de nós, mal resolvidos ou apenas dores... que não aceitamos. Bravo caro poeta... sensibilidade à flor da pele..
deusaii

12/01/2010

...tudo é fruto da imaginação, exceto aquilo que realizamos através dos poderes que a mente humana tem. As superstições nos fazem a acreditar no sobrenatural porque é mais cômodo supor do que atrever-se a buscar verdades. Todos os nossos fantasmas são habitantes de um mundo imaginário e quando dormimos podemos senti-los tão palpáveis como se fosse a brisa que adentra pela fresta entreaberta da nossa janela num dia frio de inverno. (... eu tenho medo de abrir a porta do meu guarda-roupas porem durmo com a janela do meu quarto sempre aberta...)

J.A.Botacini

Zezinho.

Voltar à poesia