Filhos da Aurora

Filhos da Aurora

 

 
Filhos da aurora rompam as vestes
Que vos prendem à terra, espreitem
Pela luz escondida em vossas mentes,
Pratiquem, ou pelo menos tentem…
 
 
Saber a origem daquilo que sentem.
A semente em vós está adormecida,
Clama por vós, que ser reconhecida,
Há muitos milénios que nos mentem.
 
 
Dizem-nos que aquilo que se sente
É fugaz, sem sentido, é permitido
Num acaso sem explicação decente.
Vejo o viver dum lamento repetido.
 
 
Sem conseguir-se explicar o motivo,
Vai-se mudando o que nos rodeia
Se um bater de asas tem sentido,
Imaginem o que nosso interior anseia.
 
 
 
 
 
 
 
 

Somos e sempre seremos filhos da aurora!

Desejo-vos um feliz 2010!!

Abraços!

Na manh

Bruno Dias
© Todos os direitos reservados