Site de Poesias

Menu

ENTRE QUATRO PAREDES

ENTRE QUATRO PAREDES
Por: William Vicente Borges

Jamais serei opologista
da triste separação
o amor nunca deveria acabar
ao ponto da ruptura

Sempre deveria ter um jeito
mas quando um não quer
dois não reatam
e a vida as vezes é assim

É quando de um lado se perde o repeito
e do outro não existe mais paixão
quando apaga-se de vez o tesão
e o adeus com dores é inevitável

Neste momento todos são vitimas
e não adianta racionalizar
e pensamos nestas vítimas
infelizes de lares desfeitos

Mas diga-me o que é pior
não seria as vítimas
dos lares intactos, sem paz
sem viço, sem verdor?

Quando estar junto é um jugo
uma tortura diária e massacrante
onde as portas das fugas
são abertas a todo instante

O que acontece entre quatro paredes
nunca fica entre quatro paredes
escapa, é extravasado de muitas formas
onde cada um se suicida a sua maneira

....................
Primavera de 2009

 

Compartilhar
WILLIAM VICENTE BORGES
12/12/2009

  • 2 comentários
  • 114 visualizações neste mês
  • sob licença creative commons
    Você pode distribuir este poema, desde que:
    • Atribua créditos ao seu autor
    • Não use-o comercialmente
    • Distribua-o sob essa mesma licença