Site de Poesias

Menu

Ar

Ele aprendeu olhando as pedras na calçada
e o resto dos 30 cigarros que se acumulavam no cinzeiro.
De tanta tristeza, solidão, rabiscava uns versos,
e convivia com eles como se fossem velhos amigos.

[Soltava a fumaça da garganta
e puxava pela boca.]

Há os que se embriagam,
e acham que a sacada do hotel seja o mictório.
Existem os que já nascem bêbados,
E incorporam líquidos na goela para se tornarem sólidos.

Ele enfiava o dedo no nariz
e bebia cachaça entre os amigos.
Levava coice de um burro alado
e trespassava o dedo na ferida.

Pela úlcera visceral que a dor se tornara,
por entre as sombras que lhe resta,
faltara moradia entre o leito
da força magistral
e um deus feto, filho de seu ventre, iluminava seu rosto,
naquela madrugada fria.

Compartilhar
Ricardo Abdala
12/11/2009

  • 0 comentários
  • 267 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados