A DOR DA ESPERA

A DOR DA ESPERA

Fico a te esperar

Incrédula, insana,

Inconsciente, mundana.

As horas passam.

A vida passa.

Nada faço.

A busca do intocável,

Impróprio, intolerável,

por vezes reclama.

De que vale a espera?

O mundo real te chama.

O sonho acordado desencanta.

O súbito amor te espanta.

E em seu coração

Uma ferida aberta sangra,

engana, revela.

 

 

 

 

Priscila Brandão
© Todos os direitos reservados