Site de Poesias

Menu

Silêncio

Nada vejo em meu redor:
É silêncio...
As vezes grito bem alto
E não aparece ninguém.

As vidraças embaçadas:
Parece não existir
Vidas do outro lado,
Alguém para me ouvir.

Aos poucos os olhos navegam
Na triste recordação:
No meio do vago que resta,
O amor torna paixão.

Salto, pulo, faço loucura
Do que antes era amor;
No quarto que nos separa,
Somente angústia e dor.

É tudo o que sobrou
De uma estória tão linda:
Do tempo do nosso amor,
Somente a saudade restou.

Compartilhar

03/05/2004

  • 1 comentário
  • 64 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados