Site de Poesias

Menu

Um Amante Condenado



Seu sono sem respiração
Nossa cama sem sonhos
Eu devo guardá-la
Em meus olhos escuros e meus braços gelados
Nada vive exceto minha dor
Agora você está gasto com os anos
Anos e tristezas
Como santos com flechas
Mais uma vez eu vejo um fim
Eu assisto morrer com um humilde suspiro

Acalme esta maré de tristezas
Ele me guia para longe e eu sigo
Suspiros e então o adormecer
Despertares e suspiros novamente
Abrindo os olhos,
Vejo fantasmas de novo
Nosso amor morrendo, orando em vão para viver
E implora por um socorro, que eu simplesmente não posso dar

Meu devotado amor toma um pequeno passo para trás
E vai embora
Solidão se espalha grandemente diante de mim


Abra-me
E beba meu escarlate
Beije-me profundamente
Beije-me profundamente e me ame para sempre
Amor sangrento
Amor sangrento dentro de você
Me engula
Graças a deus, não há nada que eu possa fazer

Venha comigo, venha e veja o fim
E deixe-me engolir a sua dor
Deixe as luzes da vila, pise na noite
Abra sua boca para minha chuva de sangue
E no seu segundo nascer, vamos assassinar a terra
E caçar a humanidade até o céu queimar
Somente deite-se para mim, nua para que possa vê-la
É somente um beijo, isso é tudo que preciso

Me leve para baixo
Lá para a costa sangrenta
E me deixe para sempre
Me deite
Junto com todos os outros
E me esqueça
Como você esqueceu todos os outros.


 

 

 

Compartilhar
Tonny Fernandi
19/07/2009