Site de Poesias

Menu

Para cultivar a rosa


 
O espinho
fino
em tua carne,
ela não quis
fazer entrar.
Pra que a rosa
delicada
se desarme,
é preciso
esperar
que o sol
se recolha
ao fim da tarde
e a noite
comece
a se espalhar,
calma e plena
de possibilidades...
Pra que a rosa
delicada
se revele,
é preciso
em seu perfume
acreditar,
adentrar suavemente
o seu veludo,
e calmamente,
num instante fundo e mudo,
sem temores,
sem anúncios...
só amar.

Compartilhar
Cio Nascimento
20/04/2009

  • 4 comentários
  • 930 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados