Site de Poesias

Menu

Doutor, Doutor!

Doutor! Doutor! Estou com uma emergência!
Uma doença pegou-me ligeira! Meu Deus, doutor! Cure-me!


Diga-me o remédio, ela dói! Ela dói, doutor!
Esta doença está me matando aos poucos!


Doutor, doutor! Salve-me! Eu estou morrendo desta doença!
Ela dói! Parte-me inteiro! Passo as noites chorando, passo-as em claro!


Em meu alento! Mal saio na rua! Doutor, doutor! Salve-me deste pesadelo!
Já mal posso abrir os olhos e as lágrimas vêm!


Doutor! Prescreva-me um remédio! Uma operação! Dá-me a cura!
Estou com uma emergência! Ela está me matando por dentro!


Dona Ambulância! Socorra-me! Estou caído na rua!
Maca branca me ampare neste momento crucial!


Eu estou perdido! Eu estou morrendo, ela está me matando.
Sr. Policial! Isto é homicídio! Como faço? Como faço para culpá-la?!


Sou vítima, Sr. Policial! Ajuda-me! Proteja-me que é seu dever!
Proteção, qualquer coisa, Sr. Policial, apenas proteja-me desta doença!


Homicídio Qualificado! Homicídio Doloso! Homicídio Culposo!
Triplo! Eu, meu corpo e eu novamente!


Doutor Advogado! Ouça-me! Estou sã de mente e mau de corpo!
Sou uma pessoa justa e quero minha justiça.


Doutor Advogado, ajuda-me! Quero-a longe de mim!
Fiz meu dever, cumpro meu dever! Sou cidadão!


Tenho meus direitos e meu deveres! Voto em eleições!
Limpo minha calçada! Reciclo plástico! Pago meus impostos, nossos impostos!


Sr. Juiz! Mande-a para a prisão! Ela merece cárcere eterno!
Escuta-me, eu sou a vítima! Fiz com o meu dever!


Tenho total inocência neste caso! Eu sou uma vítima passiva!
Acreditem-me, Srs. Jurados! A Lei está do meu lado!


Doutor! Cure-me!
Dona Ambulância! Socorra-me!
Sr. Policial! Prenda-a!
Doutor Advogado! Atue-me!
Meretíssimo Juiz! Escuta-me!


Essa doença está me matando! Acabe com ela!
Chegou de fininho, como quem não quer nada!
Passou por mim, foi à segunda vista!
Foi lindo, Meretíssimo! Foi lindo!
Disse-me coisas lindas! Disse-me coisas belíssimas!


Mas, Meretíssimo! Iludiu-me! Matou-me aos poucos!
E cá estou, morrendo da Silva! Moribundo da Silva!
Tudo culpa dela! Dela, Meritíssimo!
Sou inocente, sou vítima dela! Não tenho culpa!
Dissimulou-me! E veja que bonita palavra!


Peço, Meretísismo, uma pena cruel!
Não merece estar à solta, e atacar puras almas como eu!
Não merece luz solar! Não merece alimento.
Meretíssimo, por favor, mate este amor.
 

 

 

 

 

- A Vítima aceita colocar um pouco de amor nisso?

Compartilhar

18/03/2009

  • 0 comentários
  • 140 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados