De todas as ervas

Amo, tuas coxas desvairadas,

E, ali, encanto-me, todas as horas.

Há um aspecto de mim

que , só você,  conhece.


Há, em mim, sede de ti.

 

Todos os dias, como um exercício, resgato

o melhor de mim.

Banco, o que há de melhor, ganho,

a última cartada,

snucker, a porta aberta.

E , a tua dança, diz

mais de ti.

Encanta-me, erva transversa,

E a possibilidade de

fazer amor e curar.

 

 

Uma Épico que há em mim. Para Soninha do meu coração, para sempre.

Bagé/RS

Claudio Antunes Boucinha
© Todos os direitos reservados