Site de Poesias

Menu

* Solitária canção *

[Ilustração não carregada]

Protejo-me de mim mesma

Em frágil redoma

Onde contemplo minhas vicissitudes

Traspassadas por enigmáticas atitudes


Sentimentos falam de mim

O que eu mesma não decifrei

Palavras me retalham por fim

Em versos que eu simplesmente inventei

 

Em minha bojuda campânula

Permaneço alicerçada a inexoráveis mistérios

Enjambrada nesta perene cúpula

Onde se ramificam segredos etéreos


Divago em sonhos evaporáveis

Resquícios de uma ébria ilusão

Nutrindo esperanças que julguei indenizáveis

Perco-me no arpejo da minha solitária canção

 

 

                                *  Úrsula Avner  *

 

* Poema com registro de autoria conforme a Lei os Direitos Autorais

 

Compartilhar

Amigos do site e visitantes,
Como é bom e gratificante compartilhar o que escrevemos, lendo e comentando os trabalhos uns dos outros. Tenho aprendido muito com cada um e me deliciado com tantas poesias e poemas belos e de qualidade literária que leio aqui no site. Esta atividade de escrever é fascinante e sempre me conforta , alegra e restaura. Um beijo carinhoso a todos e obrigada pela visita e comentário. no meu cantinho ... Setembro de 2008


08/11/2008