Site de Poesias

Menu

REDUNDANCIAS DE AMOR

 
Digo-te amigo,
Das dores repartidas a minha preferida
É a dor de amor! São ‘tão sortidas que se permite escolhas
E  escolhi a dor do amor nunca sentido
Amei... E tenho amado o mesmo amor enfadado
O amor de cama e mesa; de entranhas bem guaridas.
O amor bem posto- satisfeito e regalado
Quero um novo amor - o mesmo amor pelos santos sentido.
Quero amar o amor dos santos homens que os fez convertido
Quero amar e com mãos e pés feridos ainda assim não me dar por vencido
Quero o amor encontro e procura – despedida e reencontro – O amor franciscano
Leal puro e indomado! E do pão dado, das cinzas  nascer  renovado!
 
 
Digo-te amigo,
Das dores repartidas a minha preferida
É a dor de amor! São ‘tão sortidas que se permite escolhas
E  escolhi a dor do amor nunca sentido
Amei... E tenho amado o mesmo amor enfadado
O amor de cama e mesa; de entranhas bem guaridas.
O amor bem posto- satisfeito e regalado
Quero um novo amor - o mesmo amor pelos santos sentido.
Quero amar o amor dos santos homens que os fez convertido
Quero amar e com mãos e pés feridos ainda assim não me dar por vencido
Quero o amor encontro e procura – despedida e reencontro – O amor franciscano
Leal puro e indomado! E do pão dado, das cinzas  nascer  renovado!
 
 

Compartilhar
Olimpio Cesario do Prado
18/10/2008

  • 1 comentário
  • 102 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados