Site de Poesias

Menu

Sentimentos que abrigo

[Ilustração não carregada]

Como não falar de dores profundas ?
O coração bate em cadência miúda, pungente
De cuidados, ó órgão falante, te abundas
O que é essa vida senão agonia da gente ?
Senão uma leve e momentânea tribulação ?
Um correr desenfreado , lépido
Onde a vaidade é a principal atração
O que há no mundo senão aquilo
Que poderia existir de outra forma ?
Apelo à inocência, ao estado original
Sem mancha, sem borda
Sinceridade global
Ó Criador, com Tuas habilidosas mãos
Teceste os mundos
Criaste o ser humano
Com seus mistérios profundos
Para onde fugirei do Teu espírito ?
Tu perscrutas todas as moradas
Á procura de alguém que Lhe ofereça
Lágrimas de amor derramadas
Prepara-me pois um lugar de aconchego
Em seu leito
Onde hás de calar
As dores em meu peito

* Poesia publicada em Antologia pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores- Julho- 2008


*  Respeite os direitos autorais
 

Compartilhar

Obrigada por sua visita. Registre seu comentário. Para quem escreve, é importante saber a mensagem que seus textos estão enviando aos leitores. A sua opinião aprimora o nosso trabalho. Um abraço carinhoso.


08/07/2008