Site de Poesias

Menu

Nosso encontro

Rostos se confundem na multidão
Eu sou apenas mais um a caminhar
Tenho minha vida
Muita estória pra contar
Se você quiser ser mais um a me escutar
Pode chegar
Sempre cabe mais um
Como diz o ditado
Coração de mãe
Nunca é apertado.
Vou falar de amor
Talvez me faltem palavras
Para descrever minha dor
Basta apenas meu olhar
Eu lhe peço atenção
Esqueça a multidão
Muitos estão aqui
Mas, nem sabem quem sou
E pra dizer a verdade
Nem se interessam, a saber,
Não querem me conhecer
Só pararam aqui por que viram
A multidão em volta
Nem sabem por que estão aqui
Diferente de você
Que se preocupa
Diferente de você
Que me escuta
Talvez você não possa fazer nada
Mas não questiona, me abraça
E como eu preciso deste abraço.
Temos que sair pequeno está o espaço.
Pessoas balançam a cabeça
Saem reclamando
“Cada maluco na rua”.
“E este violão”?
“Pensei que o cara fosse tocar”
“Mas, ele se foi, sem nada falar”
“E aquela pessoa com ele?”
“Será que combinaram para nos enganar?”
E lá vamos celebrar nosso encontro
Agora somos dois perdidos na multidão
Acompanhado é melhor
Muito melhor...
Quanta estória pra contar
E o melhor é ter você para escutar...
 
 
 

Compartilhar
Edson Satler
29/05/2008

  • 1 comentário
  • 1355 visualizações neste mês
  • sob licença creative commons
    Você pode distribuir este poema, desde que:
    • Atribua créditos ao seu autor
    • Não use-o comercialmente
    • Não crie obras derivadas dele