Site de Poesias

Menu

“Ser criança”

[Ilustração não carregada]

“Ser criança”
 
Sonhos revividos, palavras alinhadas.
Lembranças que são memórias sem papel
Impalpável matéria no peito, cravada.
Desenrolam-se etéreas, num imenso cordel.
Era na linha do trem a maior aventura
Coletando pedrinhas, brincava nos trilhos.
Um clima de festa que vem e perdura.
Traz de volta momentos, em estribilhos.
Família, varanda, cadeira de balanço.
A desenhar nas nuvens passava a vida
Improváveis figuras que já não alcanço
Desfaz - se como a palavra proferida
Muito mais que fotogramas amarelados
São as doces lembranças que trago comigo
Saudosos momentos por mim guardados
Servem-me hoje de força, alento e abrigo.
A infância volta com força à memória
Como carneirinhos que traziam o sono
Revivendo os detalhes dessa historia
Banindo toda a sensação de abandono.
Sentimento esse que nos toma de assalto
Ao ver no mundo a maldade distribuída
Por conta da falta de amor, um preço alto.
E inocentes pagam com a própria vida 
São cenas que interferem no nosso desejo
De criar poesias que a dor ameniza
Já que nos impele a aproveitar o ensejo
E em alta voz clamar por justiça
Quanto mais teremos que esperar?
E quantas “Isabellas” ainda vão morrer?
Para que possamos nos conscientizar
Que só o amor tem que prevalecer
E retendo memórias que vem aludir
Com a força resoluta que no peito vai
Queria ser menina se pudesse pedir.
E estar segura na forte mão do meu pai.

Glória Salles

Compartilhar

Respeite os direitos autorais. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Glória Salles).
Você não pode fazer uso comercial desta obra.

Obrigada pelo carinho de sua visita.

Gloria Salles
24/04/2008