Site de Poesias

Menu

Insônia

Quantas meia-noites de insônias e fantasmas!
As sombras que me assustam não são as piores,
Mas as que convidam a duelos de horrores
Nas madrugadas tortas de silêncio e calma...

São discussões infindas entre perdedores
Que habitam todos uma só pequena alma;
Que se iludem, tolos, co'a verdade que plasmam:
São oleiros de barro, auto-deformadores...

São meus interiores que roubam-me o sono
Com disputas gritantes que perdem sentido
No silêncio da imensidão da indiferença...

E, monarca deposto, sem cetro, sem trono,
Eu ordeno que parem! Mas não sou ouvido:
De tão acordado, nem noto-me a presença...

Compartilhar
Ederson Peka
02/11/2007