Site de Poesias

Menu

Subúrbio

Subúrbio
 
Há muito tempo descobri,
descobri que me encontrei
nos olhares dos que chafurdam o lixo
daqueles bestializados, brutalizados.
Há muito tempo descobri
que sou igual ao peão e ao ladrão, similar
ao analfabeto, reprodução do sem terra, dos
sem salário, sem perspectiva
Vi que tenho o mesmo destino
dos sem previdência, sem educação,
e senti em mim o mesmo azedo suor
dos sem poesia
É com mentiras que se constrói uma verdade
produtos e artigos
nas prateleiras das cidades
Artigos de consumo
letrados, fazendeiros
assalariados, graduados, acionistas, especuladores
Percebi, que estamos enganados
vi a todos nos  no mesmo lixo
toneladas diárias
rios poluídos
acefalia, câncer, sífilis
Enganados
confiando na solidez
crentes na higiene
para todo o sempre amém
imersos em um mundo rastreado, mapeado
decifrado,

Dominado
ou apenas recusando reconhecer
que  tudo que é sólido desmancha no ar
a fotografia nunca captura o movimento
o tempo sempre escorre pelas mãos
e pelas mãos também escorrem as lagrimas
das mesmas mãos que seguram armas
e deixam escorrer balas
 que escorrerão  sangue
de um tempo que acabou
 
Gilson Amaro
 09-2007
 

Compartilhar
Gilson Amaro
20/09/2007

  • 3 comentários
  • 271 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados