Pássaro

Pássaro na imensidão do espaço eu sou
Busco sem cansaço um ninho, o seu amor
Vou voando um vôo de versos sem saber
Onde ou quando vislumbrar meu bem querer

Notas e canções no céu alegres vão
Tecem as manhãs, clareiam a escuridão
Aqueço-me ao sol, descanso ao luar
Mesmo em sonhos eu não paro de voar

Pássaro na imensidão do espaço eu sou
Vales e montanhas vêem onde eu vou
Rumo ao infinito nunca temerei
Sem você comigo quem eu sou nem sei

Vôo nas florestas, canto a trabalhar
Só descanso no meu canto sem parar
Mesmo as tempestades paro a contemplar
Peço a Deus na calmaria lhe encontrar

Pássaro na imensidão do espaço eu sou
Banho-me nos lagos, mergulho no  meu vôo
Seus segredos lá no fundo vou buscar
Só assim, enfim, descanso sem cantar

Pássaro na imensidão do espaço eu sou...

"Pássaro" reflete a busca, a trajetória, o vôo poético...

SSA, dezembro/2006