Site de Poesias

Menu

RESQUÍCIO

De início era apenas um zumbido,
que chegava de todas as formas
leve aos meus olhos ou ouvidos.
O tempo tempo foi mudando,
começava a serenar,
e o que era zumbido vira brisa
e continuava aos meus ouvidos soprar.
E aquela brisa e sereno constante
fez de mim esse eterno amante.
Era apenas um leve sereno,
que desprotegido vinha a me molhar.
E o que era brisa vira tempestade,
mas era eu fruto da tal felicidade,
que nem ouvia a chuva bater,
eu só tinha ouvidos para o meu bem querer.
Foi apenas um pulo a mudança
de tempestade a furacão.
E como furacão veio a paixão
onde tudo acontecia de mais intenso,
eram doces as palavras que agora penso,
não eram apenas jogadas ao vento,
mas foi com o passar do tempo,
foi para longe aquele furacão
levando consigo também a paixão.
Eu acordei
foi tudo um sonho.
Eu reparei
Que o furacão que vidraça
estilhaçou fez de mim esse caco
caco este que coração retalhou
e que meus olhos embaçou.
Sou o resquício do que se passou.
E como tal, para sobreviver
continuei igual ladrão,
até palavras continuo a roubar,
você sabe do que estou a falar,
isso é também igual
resposta ao TEU coração.

Renatinhuuuuuuuuuu 29 de Agosto de 2006 08:34

Compartilhar

Relato da insanidade. Em casa

Renatinhuuuuuuuuuu
29/08/2006