Site de Poesias

Menu

Senhor cidadão

Os ares que habitam os meus pulmões
Impedem de aflorar os meus sentidos
De libertar dos pássaros, suas canções...
De criar um amor mais colorido.

Ah. Mas, entretidos todos somos
Guerra, fome, tristeza, bombas e corrupção.
E de alguma coisa, Quem realmente é dono
De quem realmente é a medalha do campeão?

Senhor cidadão
não façã isso não.
O que se pode ver,
não se pode por a mão.

Senhor cidadão
Aguenta as consequências
Não tenha delinquências
Quer ir pra prisão?

Senhor cidadão
me pague mais impostos
preciso administrar postos
para camuflar a corrupção.

Senhor trabalhador
Me faça um favor
siga todas essas leis
e não me insulte. "Sou um Rei!"

Senhor trabalhador
trabalhe um pouco mais
afinal, a" vida e mole pra quem é duro"
Não se importa de continuar duro?

Os ares que habitam os meus pulmões
Não me deixa respirar direito
Me deixa com defeitos
para contribuir com essa nação

Os ares que habitam meus pulmões
não são do Amazonas
são do transpirar dos putos nas zonas
que fedem ao "foder" com o dinheiro do povão.

Ah. Mas, entretidos todos somos
Greve, CPI, burocracia, PCC e Mensalão.
E todos esses sangues, quem é que não suga?
O teatro sob o vidro ainda continua uma peçã, não é não?

Compartilhar

O que estamos esperando para fazer a greve do trabalho? Guarulhos - SP


16/08/2006