Site de Poesias

Menu

"QUANDO CRIANÇA". (Soneto).

O meu cavalo imaginário
que eu tinha quando criança,
era o primeiro do páreo
com crina de belas tranças.

Tinha rédeas e tinha nome
representava-o tão bem...
sobre ele eu era um homem
meu cavalo do além.

Escutava o mastigado
do meu cavalo inventado,
que enfeitava o meu cenário.

Ansioso ao amanhecer
para nos campos correr,
com o meu cavalo imaginário

Compartilhar

São Paulo, Agosto de 2006.

Antonio Hugo
16/08/2006