Quase abraço


Primeiro encontro
trouxe mistérios,
cheiros,sensações.
Éramos,
só ele e eu...
Não tínhamos olhos para o mar que nos acenava.
Nem vimos a Martim Pescador que num mergulho veloz saciou a fome.
E o sol que queimava minha cândida pele,deixou de existir.


Curiosa talvez,
ingenuamente,
toquei seu peito nu,
num abraço,
arrancando dele um arrepio.


Foi então que descobri,
que o homem que ali estava,
guardava muitos segredos
que muito mais tarde nosso amor,
me levaria a descobrir.


Isso foi há meio século.
Quando o amor era mais recatado.
Não tinha tanta pressa.
Sabia que o para sempre,
existia.

Maria Isabel Sartorio Santos
© Todos os direitos reservados