Sinto

Quando passo pelas ruas, praças, campos, vales e calçadas. Sinto que o vento que beija o meu rosto é igual, igual à chuva que cai e a poeira que se assenta. As lágrimas que choram, a voz que implora, o olhar que espia e os ouvidos que em vão não se ensurdessem.

Cesar Garcez
© Todos os direitos reservados