Meu amor

Meu amor, só queria dizer que te amo
Te amo tão docemente como naqueles tempos, 
Eu e tu, a sós, eu e tu e o nós.
Te amo e te chamo a lua, a esta noite revolta de intensos ventos,
Como se nunca esse sentimento se tivesse esvanecido, com o tempo,
Como dizem.
Não! Não se esvaneceu, não se atentou, vagamente se silenciou.
Vive no meu mundo, vive nas minhas palavras, vive em silêncio e chama por ti!
Chama a noite e aos ventos, ao tempo dos tempos, no meu coração agora sem voz.
Porque amor, se te amei, se te amo, é a verdade desse amor, desse meu amor, que jamais se esvaneceu, que jamais se esqueceu e, que, naqueles momentos, também foi meu e teu.

celia bastos
© Todos os direitos reservados