Nada mais

Nada mais       
      
Sou só mais um sonhador
Que a todo instante
Alforria o grito preso na garganta
Liberta sem censura
O que lhe dita a alma
Como um vulcão desperto
Jorra sobre o papel
Sentimentos esquecidos
Reescreve sua história
No livro da vida
E o abre para o mundo
Que escolhe lê - lo ou não
E só o compreendem
Os que lêem nas entrelinhas
Cultivam a leveza dos dias
Aqueles que respiram poesia
Se alimentam de versos
Têm a sensibilidade à flor da pele
Que não têm vergonha 
De colocar à mostra
Suas verdades
Seus secretos anseios
Sou só um mortal 
Em busca de si mesmo
Um poeta...
Nada mais

Maria Isabel Sartorio Santos
Ail Itanhaém 

Maria Isabel Sartorio Santos
© Todos os direitos reservados