Tesão perdido

Estar comigo com melancolia, despretensioso e com animosidade

Mas assediando vivaz a luxúria, me fez, no detalhe, observar

Pecar pelo excesso mostrou o interesse libertino da sua Identidade

É preciso não só em cima, mas lado a lado, a vida com o outro compartilhar.

 

É tão comum e transitório dedicar só a carne seu passageiro desejo

Ser escravo do instinto, que puxa para baixo seu olhar e a sua cabeça,

Que pensei que não reclinaria tanto na soberba seu traquejo,

E até passei a pedir esmola de você, como se fosse isto uma riqueza.

 

Desânimo que em momentos desviava para o que eu, romântico, detesto

No passatempo, qualquer coisa serve  eu sempre medindo forças e perdendo,

Objetificando cada vez mais e esvaziando de sentido todo o resto,

Do que não se passava só na noite, mas construído em paz, ingênuo e pleno!

 

Acabando a esperança de te salvar deste interesse, em precipício,

Vendo você na fixação deste vício, curando a ressaca com a bebida!

É claro agora, o porquê eu disse em desabafo, ao meu suplício

Como pode fazer isso comigo, na ocasião daquela saída!


Temo ser o que buscou quando aqui chegou, desde o começo. 

Já que não segurou comigo sua vida, miséria a um bem feitor,

Fulgás, dizia-se sufocado e proibido à minha presença, em fiel apreço,

Mas em frenesi já colecionava , medindo à fita métrica o tamanho do seu amor!

Guilherme dos Anjos Nascimento
© Todos os direitos reservados