Espelho quebrado

Espelho quebrado.
Olho para o espelho, esse não sou eu,Se parece comigo mas não sou eu,É como se fosse uma versão minha, só que...perfeita?- Quem é você? -Eu pergunto, sem resposta.
Fecho os olhos e olho para dentro,Vejo uma pessoa, sou eu.Então, por que aquele espelho refletiu aquela versão minha?Eu não sou boa o bastante?Eu sou falha?Eu sou um erro?
Abro os olhos, lá está ela minha versão perfeita,Serro o punho, sinto as chamas vermelhas da raiva tomarem o meu coração,Soco com toda a minha força o espelho,Jurei que se eu o quebrasse, não veria mais aquela minha versão distorcida,Eu estava errada.
Mais versões perfeitas de mim apareceram,As chamas vermelhas que antes se concentravam em meu coração agora se espalham por meu corpo;Aquela sensação intensa se espalhou pelo meu corpo, queimando como um incêndio numa floresta.
Novamente eu soquei o espelho,E novamente mais versões aparecem.
Eu socava, de novo e de novo,E novamente mais e mais versões apareciam.
Então, eu parei.Não tinha mais forças para socar,As chamas vermelhas extinguiram-se da minha alma,E tudo que restou foram lágrimas azuis.
Aos poucos vou me sentando no chão, chorando  e chorando,Pensamentos ruins surgem na minha mente,“Por que você é tão falha? “eu prefiro a sua versão do espelho”- Parem!, parem!, PAREM!Grito o mais auto que pude, o roxo da angústia preenche minha alma,Então, tudo fica escuro.Silêncio, as vozes pararam.Nada, eu não sentia mais a ardência vermelha, o devastador azul ou o sufocante roxo.Tudo que restava era o solitário escuro preto,Olho para o espelho, aquela versão irreal minha desapareceu.Olho os cacos de vidro que restavam no chão,Finalmente percebo que não tinha motivos para continuar lá,Afinal,Qual é a utilidade de um espelho quebrado como eu?

Amanda Madson
© Todos os direitos reservados