Vergonha de Amar

Vergonha de Amar

Será que nesse mundo diferente em que nós estamos vivendo, em tempos tão estranhos, um homem pode ser condenado por desejar uma mulher tão linda?

Será que em algum mundo, nalgum tempo, algum homem pode ser condenado por desejar, acima do que ele pode evitar, uma mulher que ele que ele ama, acima das suas forças?

Nalgum lugar, alguma vez, alguém me condenaria por te querer tanto?

Eu nunca menti; nunca escondi.  Eu tentei de todas as formas, com todas as minhas forças, chegar ao teu coração.  Mas minha luta estava perdida desde o começo e eu, na verdade, sempre soube disso.  Mas tentei...

Te fiz mil versos, tomei outros tantos emprestados, toquei mil músicas, rezei, chorei, eu tentei...

Mas voce nunca me amou, não me ama e nunca vai me amar.  Não sei se você ama alguém, você nunca me disse, também nunca me disse que me amaria. Você, pra mim, continua o mesmo mistério, uma muralha impenetrável, tal qual eu te conheci.

Verdade é que sem você eu não tenho nada, não sou nada, nem existe mais nada que eu queira.

Fazer o que? A vida é assim.  Impassível e inamovível, segue em frente, alheia aos nossos dramas particulares.

Não vou morrer sem você. Mas também não vou viver sem você.  Retorno ao que sempre fui. Nada à espera de uma coisa que  nem eu sei o que é, como sempre foi desde que eu era só uma criança sozinha, deitada no escuro do quarto, ouvindo musica e morrendo de saudade de uma coisa ou de alguém que eu não conhecia.

Melhor nunca ter sabido. Porque esquecer vai ser impossível. Mas enquanto a chuva cai a vida segue...

Pelo menos, agora eu sei que você existe, que nunca foi imaginação minha, que a minha vida inteira eu te esperei e, por fim, te encontrei e te perdi ao mesmo tempo...

Teu coração vai bater dentro do meu peito pelo resto da minha vida . E a tua alma vai assombrar a minha além dela.

Eu te amei antes, sem saber. Te amo hoje, sem querer e vou te amar pra sempre, sem esquecer...

chega uma hora em que temos a certeza de que não vale mais a pena lutar. Sabemos então que é hora de desistir...

Em casa. Ou no fundo da minha alma, vagando em algum lugar do infinito