Era o amor

Pasmem! Ouvi baterem à porta ...
Pediu para entrar. Era o amor.
Disse que entraria. Pela porta ou pela janela!
Mas viria morar aqui!  Junto comigo e com ela.

Como, se mal a conheço, apenas a vi uma vez...
Não pode ser desse jeito. Com mais tempo, quem sabe... talvez!
Por um amor, eu confesso, tenho muito esperado,
Mas uma só vez e pronto? Já fiquei apaixonado?

Não posso acreditar, deve haver algum engano!
Um só dia é tão pouco. Se fosse ao menos um ano...
Se bem que olhei nos seus olhos, e senti um leve tremor.
Será que foi um sinal? Ali que nasceu este amor?

Aquele perfume  que insiste, em ficar na minha lembrança...
Pensei em senti-lo outras vezes.  Confesso que tive esperanças...
E aquela voz, eloquente, aquele charme  envolvente,
Tentar eu tentei, mas não deu. Não pude ser indiferente.

Pensei em mudar-me de casa. Aquela podia não dar...
Mas o amor me disse: Nada de desesperar!
Pode ficar bem tranquilo, assim que o susto passar,
O amor em uma vida a dois, vai bem, em qualquer lugar!

Jrunder (JRUnderavícius)
© Todos os direitos reservados