Sobrevivendo II

Vou sobrevivendo lutando as batalhas de cada dia ouvindo coisas que eu não ouvia, vendo na juventude a rebeldia, fruto de uma nova ideologia, que fortalece a alma mas o espírito esvazia...

Vou sobrevivendo observando a apostasia do homem que de Deus dependia mas que hoje em seu braço confia pensando que Dele se aproxima e não percebe que se distancia vagando em sua mente vazia...

Mas, vou sobrevivendo em meio a essa pandemia vendo se aproximar de Deus quem antes Dele se escondia sendo verdadeiro quem antes fingia cujas lágrimas de tristeza hoje são de alegria...

Vou sobrevivendo aprendendo a ter empatia, no curso da vida buscando energia juntamente com aquela que meu caminho alumia fortalecendo o amor que em meu peito ardia sigo vitorioso em sua companhia...

Por isso, vou sobrevivendo olhando àquele que sempre me vigia cuidando de mim como uma mãe sua cria fazendo-me ver o que antes eu não via que sempre esteve comigo e disso eu sabia que de seu amor me nutria quando sua voz eu ouvia através da palavra que eu lia e de fé me enchia...

Por isso, até aqui, vou sobrevivendo vencendo a batalha que eu perdia esperando a aurora do dia e o sol que com seu fulgor irradia iluminando quem em trevas vivia enchendo o coração de alegria dando vida a quem aos poucos morria sendo bússola a quem se perdia é visão a quem nada via...

Estou sobrevivendo no mundo de hipocrisia da aparência e da rebeldia vendo coisas que nunca se via, onde hoje, o orgulho trás fantasia na vida de quem parecia ser simples até em demasia mas era o fruto do ego que crescia fazendo do ser humano moradia do pecado que o prendia...

Mas, vou sobrevivendo pisando firme no chão que tremia olhando para o alto e não mais para as coisas que eu via na esperança me guio não mais naquilo que eu fazia hoje dependo de Deus muito mais do que dependia sigo nos braços da fé e do amor como minha estrela guia sei qual é meu destino e onde tudo termina um dia...

Por isso, vou sobrevivendo e em Deus eu descanso e a todos hoje eu digo: sossegai, esperando ouvir como uma doce melodia: filho querido e amado, terminaram os teus ais, descansa nos braços do Pai...

Zeca Moreira – 09/05/2021

Zeca Moreira
© Todos os direitos reservados