Des - Construída

 

 

Sem jeito um pouco abrupto

Chegou assim como o vento

Desorganizou - me inteirinha

Despenteou meus cabelos

Ocupou meus pensamentos

 

Sonhávamos os mesmos sonhos

Doces tardes de verão

Trocávamos mil carícias

Jurávamos seria eterno

Mas disse o destino não

 

Tivemos tão bons momentos

E outros não tão assim

Foi se apagando a fagulha

E os sonhos que sonhamos

Tão lindos chegaram ao fim

 

E numa tarde de outono

Deixou - me só no relento

Partiu sem mesmo avisar

Despetalou o vivido

Pisou nos meus sentimentos 

 

E hoje reconstruída

Passo meus dias a tentar

Com as pedras que ficaram

Construir novo castelo

E nele inteira reinar.

Maria Isabel Sartorio Santos
© Todos os direitos reservados