A sede do Diabo

A sede do Diabo!

 
           
 
       Ao fundo do quintal da casa de minha avó, calmamente, eu bebia uma garrafa de água mineral gelada, sob a sombra de frondosa mangueira, quando, de repente, de dentro de um súbito pé de vento, rosnando como cachorro, surge um Diabo, vermelho e suado, e logo vai dizendo:
— Amigo, estou morrendo de sede. O Inferno está quentíssimo, me dá a água que bebes e em troca te darei direito a fazeres um único pedido. Como deves saber sou poderoso e posso alterar destinos!
      Espantado, mas sem medo, segurando bem a garrafa, disse-lhe: combinado, a água será toda sua se fizer minha sogra voltar pra casa dela, amanhã, a primeira hora!
— O Diabo fez uma careta, me olhou sério, coçou a cabeça, pensou três segundos e disse:
— Hum! Quer saber uma coisa?
     Minha sede passou.
    Assim como veio se foi…
                                                                                                 
 
                                                                                                  Porto Alegre, 18/02/21
                                                                                                   José Carlos de Oliveira

jose carlos de oliveira
© Todos os direitos reservados