Pelos espinhos

Segue, caminha seu caminho,
Ainda que a noite ofusque seus olhos.
Em tempos difíceis, evite as estradas,
E busque abrigo entre os espinhos,
Onde a terra é molhada
E a noite vazia.

Bebe do orvalho de folhas encharcadas,
Caminha a tua longa jornada
De forma pura, e
 também vadia.

 

Ricardo Lemos
© Todos os direitos reservados