Site de Poesias

Menu

o nome dela?

Ela tem a pele macia
A sua cor tem a luz da manha
Ao nossos olhos ...
Levam luz a qualquer lugar
Só basta estar la
Seu olhar impetuoso arisco
Mas também doce;
Doce como o mel das rosas
Que só elas sabem cultivar

Quem é ela?

Ela tem a pele macia
As mãos pequeninas e frágeis
Com uma delicadeza de fada
Porem poderosa nas tempestades
Sabendo usar a força quando preciso
Uma Atenas no combati
Toma controle de si
Sua mente esta pronta a si defender do que vir
Com interesse de lhe ferir

O nome dela...

Ela tem a pele macia
que perfume que energia
me contagia, tanta vida
tanta vontade; perdida!
Um sorriso de menina ( indecente)
Um olhar de mulher (inocente)
Dilacera um coração
Ate mesmo os deuses rendem-se
As suas seduções

Quem é ela?

Ela tem a pele macia
Cabelos , lírios dos campos
Ao sol
Livres de qualquer prisão
A noite
Musica seguindo a ritmia
Seu corpo dança!
Sem pensar... apenas dança
Como si andasse de olhos vendados

O nome dela...

Ela tem a pele macia
Seus lábios diante dos meus
No meio um muro de timidez
Receio talvez?
Tal dor transpira
Quando não olho-te
Acaricio-te
Beijo-te
Antes de ires partir?

Quem é ela...

Ela tem a pele macia
Tanta ferida escondida
Confiança desiludida
Um carente amor
Seu afecto
Seu carinho
Como um bom vinho
Nem todos sabem apreciar
Seu valor ao abrir-se

O nome dela...

Ela tem a pele macia
desejos vontades proibidas
impulsiva adrenalina
sonhos molhados
sobre as cobertas
no quarto
seu leito
um resguardo (seu mundo)
que as vezes queres partilhar

quem é ela?

Ela tem a pele macia
Sinais avista de qualquer olhar
Tem também os que só ela sabe
E os que gostaria de descobrir
Explorar seu jardim do éden
Desbravar seus mistérios
Sentir seus músculos tremerem
com meu respirar quente
a tocar-lhe de leve

o nome dela...

ela tem a pele macia
realidade e fantasia
há noite
há dia
tanta agonia
no meu canto anseio tua companhia
será que ela me liga?
Logo irei dormir a realidade vai partir
E a fantasia vir

Quem é ela?

Ela tem a pele macia
Tem uma sensualidade que me extasia
Um misto de pureza e malícia
Nos actos da conquista
Minha musa lusitana
Que encantou-me por inteiro
Perdoe esse humilde poeta
Um amante fascinado
Um amante nada mais

O nome dela...

Compartilhar
eri torres
26/05/2006