Site de Poesias

Menu

Turbilhões


E a saudade chegou, sem timidez, sem cuidados...
Chegou avassaladora... 
Verdadeiras ondas arrastando em turbilhões, sentimentos e lembranças.

Como a maré que avança pela areia,
invadiu os anseios mais secretos, os sonhos mais íntimos.
Uma saudade imensa que fez nascerem nos meus olhos,
cascatas de lágrimas amargas.

E eu chorei em dor, cada gota salgada deste pesar.

Saudades das primeiras lições da vida, saudades da infância longínqua,
saudades do colo de mãe,
dos conselhos de pai,
da primeira escola, dos amigos, das risadas livres 
Do poder de sonhar,
dos desejos de um amanhã melhor...

Saudades do nascer do sol
e dos primeiros raios de luz que entravam a cada manhã
pelas frestas da minha janela. 
Dos lençóis de algodão, brancos como nuvens, macios como carícias.

Saudades das brincadeiras de rua, da pureza dos corações,
das amizades verdadeiras e sinceras.
Saudade de estar sempre apaixonado, mesmo sem ter por quem.
De sonhar com o amor, de forma juvenil,
onde um simples roçar de mãos
era motivo de passar toda uma noite em claro,
em intensa alegria.

Saudade do respeito. Do jeito de amar.
Das trocas de olhares...
Saudade das musicas românticas, das noites à luz de velas e lampiões.
Das cartas de amor.  Das paixões incandescentes, do poder de sonhar acordado.

E a saudade chegou,
como jamais poderia imaginar que chegasse.
E pude sentir a amargura doce das recordações.
E pude sentir, mesmo que por instantes,
a felicidade que o tempo esqueceu de imortalizar.

Compartilhar
Jrunder
23/10/2020

  • 0 comentários
  • 21 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados