Site de Poesias

Menu

O calor

O que se refresca no calor é breve,

Até a sombra é um forno em pré-aquecimento.

Debaixo do sol, a cabeça úmida ferve!

Deixando arrastado e impaciente o temperamento!

 

Do marejar dos poros, o suor que cola,

Escorre como bica, nada sacia a gente!

Pesa e irrita, desanima e amola,

O que, em brasa, sofre neste tempo quente!

 

O olho cansado reluta e embaça! Eterno,

é o fim deste dia que não acaba, miragem!

Não é à toa que o pior castigo é o inferno,

A sentença que representa o calor, nesta imagem!

Compartilhar
Guilherme dos Anjos Nascimento
03/10/2020