Site de Poesias

Menu

Ahriman Acorrentado

... E eu já sei que carrego o fardo do cego

A percorrer a árdua trajetória, a densa e escura rota

Que reduz tudo ao tédio... Vai apagando a luz, brota

Tal qual erva daninha, rosa em veneno à qual me apego...

 

Ahriman da escuridão e perversidade, arauto da malícia,

Deitou-se em minhas retinas, ferindo-as, tecendo rugas

A envelhecê-las na proporção de vida das tartarugas

Em poucas décadas e, nisto, riu com sarcasmo e delícia!

 

Eu já nem sei mais o que esperar no vácuo da miséria.

A angústia de reconhecer que fui reivindicado pelo abandono

Rói todos os meus nervos e martela meu orgulho, tira-me o sono

Enquanto insone, vou acelerando o processo da visão deletéria...

 

Estou prenhe de cegueira em metáfora, falta literalmente

Este evento acontecer, mas com segurança, não tarda...

Melancólico pelo desprazer da existência oca que me aguarda,

Como devo ocupar o tempo e distrair minha mente?

 

Recordo-me do antes, quando o zoroástrico deus estava longe

E eu, tolamente, tomei-me por invencível... Isto há onze

Anos, quando não era turva e escurecida como bronze

A vista e eu, talvez fosse mais impetuoso do que um monge...

 

Sei, entretanto, que tudo isto é uma idiotice do passado:

Estou prestes a conhecer uma ruína unicolor.

Morcego sem asas, envelhecido, solitário, sem resquício de amor...

Em meus olhos (e destino?) Ahriman está acorrentado.

Compartilhar
Thiago da Silva Carbone
14/09/2020