Site de Poesias

Menu

Libertatem Uel Mortem

Quando penso que há quase 200 anos houve o grito da independência,

E hoje o Brasil está em frangalhos,

Só posso esperar um milagre (E sou ateu!).

Para colocar a balbúrdia da corrupção nos eixos...

 

Os honestos são insultados como burros pelos poderosos.

As riquezas financiam esquemas políticos

Enquanto a fome e a desigualdade imperam...

Até onde realmente somos independentes e não mortos?

 

Queria ver um país próspero e o que vejo é a falácia do patriotismo.

Abomino a ladroagem perpetrada por ladinos

De gravata e terno, os quais difamam os interesses populares

E derretem o ouro suado do trabalho alheio em anéis esdrúxulos.

 

É... Independência ou Morte é o caralho...!

Ainda estamos presos e quiçá, estaremos sem rebelião.

Penso que essa farsa de liberdade e dignidade são artimanhas

De interesses sórdidos para que a população se cale... E morra!

Compartilhar
Thiago da Silva Carbone
08/09/2020