Site de Poesias

Menu

Faca amolada

 
Faca amolada

 
 Desventura é quando vai se preparar
Em ânimo, comida de toda sorte!
E sentir na tábua, a tudo esmagar
No azar, um faca sem corte!
 
Não é possível, digo em súplica!
Penso, talvez não a usei tão forte.
Mas de mais a mais, já não tenho dúvida,
É mesmo uma faca sem corte!
 
Tanto faz usar lâmina ou o cabo!
Pequena ou grande, de qualquer porte
Na gaveta, qualquer faca no estrago,
É, pois, uma faca sem corte!
 
Que me angustia, me desaponta
Me deixa sem altura e sem norte
Tanta coincidência me afronta
Todas as facas, faca sem corte!
 
Onde não se desliza, dividindo
Em pedaços, leve e preciso recorte
Tão primitivo, agora, estou me sentindo
Com uma inútil faca sem corte!
 
E me fecha e queima, os punhos em ira!
Pensei: ali posso produzir minha morte!
Mas logo o fato, este pensamento tira,
Tenho em mãos uma faca sem corte!

 

Compartilhar
Guilherme dos Anjos Nascimento
27/07/2020