Site de Poesias

Menu

Pandemia


 
   P a n d e m i a
           
 
             Quando uma grande tragédia, como esta de 2020, se abate sobre a humanidade, seus efeitos, demasiadamente fortes, assustam, pois nunca estamos preparados para coisas assim. 
            Tragédias se parecem com tempestades em alto mar quando navegamos; tudo escurece, um vento forte varre o convés, o capitão fica em apuros se for pouco experiênte, as ondas se sucedem com força devastadora, muitos são atirados ao mar e nem serão notados, o barco se inclinará tanto que será difícil manter o equilíbrio. O rugir das ondas ensurdecerão as vozes mais calmas e sensatas, as amarras se afrouxarão, alguns “mastros” poderão quebrar, o ranger da madeira parecerá um ranger de dentes, nada tem lugar certo, as velas enfunadas rasgar-se-ão dando passagem à ventania e a bussola se desgovernará totalmente, deixando a todos, sem qualquer “norte”. 
            Cada um de nós é exatamente como esse barco.  Somos capitão, passageiro e tripulação, tudo ao mesmo tempo. Pois este é o grande barco de nossas vidas.  Não esperávamos essa tormenta atroz.  Fomos pegos de surpresa sim, mas não será por isso que soçobraremos.
É certo que muita coisa está de “pernas para ar”, é certo que nossa bussola está desorientada, mas ainda temos coração. De nós, tudo será exigido; coragem, força, destemor, iniciativa, amor, compaixão e muito sangue, suor e lágrimas.
            Pois que seja; a humanidade não irá desaparecer dessa maneira. Alguma  coisa a ciência fará à nosso favor e, uma vacina salvadora é ansiosamente esperada. A humanidade foi pega de “calças nas mãos” e esta experiência, será a grande lição de tudo isso.
             Portanto, faça de seus nervos as cordas, de sua tenacidade as velas e, num último esforço, faça de seu coração a bussola de um novo Norte para a humanidade.
 
                                                      Porto Alegre, 02/04/2020
                                                          josé carlos de oliveira

Compartilhar

Uma palavra de esperança e confiança na humanidade e na ciência, porém, um alerta para pensarmos mais e tentarmos fazer um mundo melhor para viver. Porto Alegre, junho de 2020

jose carlos de oliveira
29/06/2020

  • 0 comentários
  • 12 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados