Site de Poesias

Menu

MINHA ANÁLISE DE - GAMES OF THRONES - Guerra dos Tronos

Tomei conhecimento dessa obra – série da HBO, RPG, Jogo de Tabuleiro e de cartas e, a origem de tudo, a obra literária de fantasia de George R.R. Martin – tardiamente. No entanto, hoje percebo que não foi tão ruim assim chegar depois de todo mundo a esse fantástico universo. Afinal, não tive que ficar ansioso esperando o próximo episódio (pois minha iniciação se deu primeiro pela série da HBO) como está acontecendo agora na ultima temporada. Assisti as temporadas todas “de soco”, como se diz, numa verdadeira maratona, nesta semana de quarentena. Por acaso, estava procurando algumas séries para assistir e, acabei encontrando disponíveis todas as temporadas de Game of Thrones (em Português, A Guerra dos Tronos) na MMFilmes a série de televisão norte-americana criada por David Benioff e D. B. Weiss para a HBO e, resolvi assistir para ver como era. Resultado: viciei! Já assisti quatro vezes as temporadas disponíveis e, agora, estou lendo os livros. E, é sobre eles que quero escrever.

Existem como é natural discrepâncias entre a série e os livros. No entanto, vou me ater apenas na análise da primeira temporada, da série, e na relação com o primeiro livro da saga: Game of Thrones (em Português, A Guerra dos Tronos) primeira parte dAs Crônicas de Gelo e Fogo (no original em inglês: A Song of Ice and Fire) série de livros de fantasia épica escrita pelo romancista e roteirista norte-americano George R. R. Martin.

A Casa Stark de Winterfell. Começo pelos Stark. A Casa Stark de Winterfell é uma das grandes casas de Westeros e a principal casa nobre do Norte, eles governaram como Reis do Inverno, mas desde a conquista Targaryen têm sido os Protetores do Norte. Sua sede, Winterfell, é um antigo castelo famoso por sua força. O selo dos Starks é um lobo gigante cinzento correndo em um campo branco de gelo, e seu lema é "O Inverno está Chegando".

No que se refere aos personagens do livro e da série de Tv, tive o mesmo sentimento em relação a eles, tanto nos filmes como no livro. As personalidades, as cenas, me pareceram bastante fieis ao livro de Matin. Continuei não simpatizando com o falso moralista do Eddard "Ned" Stark e, detestei mais ainda a arrogante e esnobe Catelyn Tully, especialmente na sua relação com o filho bastardo do seu marido, o Jon Snow. Dessa forma, creio que os diretores foram felizes na transmissão do espírito da obra de Martin.

Quanto a Robb Stark, filho legítimo mais velho e herdeiro de Lorde {Eddard Stark}, também conhecido como "o Jovem Lobo", comecei a simpatizar mais com esse personagem, quanto mais vezes assisto aos episódios e agora, lendo o livro, comecei a gostar desse personagem e, não notei muito diferença nas cenas, do livro com a série.

Ainda, quanto à Sansa Stark, (filha mais velha Eddard Stark e de Catelyn Stark) e Arya Stark, filha mais jovem deles, a filha mais velha teve algumas falas em que transparece a sua ambição e raiva em relação à Arya, cortadas. E, sua amiga Jeni Poole excluída dos filmes

No entanto Arya foi bem representada na série, não faltando nada em relação ao livro, apenas o aspecto físico do seu prof. de dança é que foi bem alterado.

Ainda, Bran Stark, o filho de Eddard e Catelyn que após uma queda de uma torre deixou de andar e, teve o mesmo espaço e protagonismo na série e no livro, porém, Rickon Stark, filho mais novo do nobre casal, foi menor aproveitado na série da HBO, do que o espaço que ele tem no livro, especialmente após a partida de Rob e da morte de Ned, seu pai.

Por fim, o último Stark e, um dos mais carismáticos personagens da saga de Gelo e Fogo, Jon Snow o filho bastardo de Eddard Stark, que foi criado em Winterfell ao lado de seus meio-irmãos e que ingressou na Patrulha da Noite, não perdeu nada em relação ao livro, exceto, a cena do final do livro em que ele tentou abandonar a Muralha para se juntar à guerra de Rob e, foi impedido pelos seus irmãos que vestem negro. Esta cena devia estar na série televisiva também, pois é bem intensa e merecia ser aproveitada. Outro aspecto positivo da série, é a relação de amizade e parceria com o Samwell Tarly que foi bem retratada e, a relação quase filial que Jon tem com Lorde Comandante Jeor Mormont e o Meistre Aemon Targaryen.

A Casa Baratheon de Ponta Tempestade, é uma das Grande Casas de Westeros. Sua sede é em Ponta Tempestade, um castelo antigo construído pelos Reis da Tempestade. Seu brasão é um veado coroado negro num fundo dourado. Os membros da família tendem a ser grandes, com cabelo preto e olhos azuis. Eles são conhecidos por seus temperamentos vivos. Seu lema é Nossa é a Fúria.

Todos os personagens dessa família, cujos principais nomes são o Rei Robert Baratheon, e seus irmãos Stannis e Renly receberam o mesmo espaço e protagonismo que possuem no primeiro livro da saga, ou seja pouca presença. Os atores que interpretam esses papeis na série da HBO honraram sua tarefa.

Casa Lannister de Rochedo Casterly. Quanto à Casa Lannister de Rochedo Casterly, a mais rica entre as Grandes Casas. Cujo seu principal castelo é Rochedo casterly e o brasão é um leão dourado em campo carmesim e seu lema é Ouça-me rugir (O lema não oficial é Um Lannister sempre paga suas dívidas) foi bem ilustrada pela HBO. Inclusive, pelo que percebi, os irmãos gêmeos e incestuosos, Jaime Lannister e Cersei Lannister – a rainha infiel de Robert Baratheon – receberam um espaço bem maior que no livro. Bem como seu odioso filho, que no final da primeira temporada, assim como no final do primeiro livro, torna-se o Rei Jofrey Lannister Baratheon. Opai daqueles e, patriarca da família dourada, Tywin Lannister, continua mantém o mesmo espaço e a mesma fria crueldade maquiavélica do texto escrito. Assim como também mantém seu carisma e característica de piadista, o querido anão Tyrion, o Duende.

Com relação a essa casa os seus três principais colaboradores e, membros do pequeno conselho, é que ganharam – e deu certo! – um espaço bem maior na TV: Lorde Varys (o eunuco mestre dos sussurros), Petyr Baelish (Mestre da Moeda e dono das casas de facilidades da capital) e Grande Meistre Pycelle .

Os demais auxiliares dos Lannister permaneceram como no livro: Janos Slynt, Bronn, Shae (mais jovial e menos manipuladora no livro), Podrick Payne, Gregor Clegane, a Montanha que Cavalga, e seu irmão Cão de Caça, ficaram do mesmo tamanho.

A Casa Targaryen é uma família nobre de Valíria, eles viveram por séculos na ilha de Pedra do Dragão até que Aegon, o Conquistador e suas irmãs partiram com seus dragões para conquistar os Sete Reinos. Os Targaryen governaram como reis de Westeros por quase trezentos anos, até serem expulsos durante a Rebelião de Robert. Além da capital, Porto Real, eles possuíam o castelo na ilha de Pedra do Dragão.

O brasão dos Targaryen é um dragão com três cabeças expelindo chamas, vermelho sobre um fundo negro. O dragão de três cabeças representa Aegon, o Conquistador, e suas duas irmãs, Rhaenys Targaryen e Visenya Targaryen. Seu lema é Fogo e Sangue. Essa é uma família que não me agrada muito. As partes do livro e da série em que foca nos Targaryen, o Príncipe Viserys e a Princesa Daenerys, me parece que coincidem em tudo que é mais importante. Não teria nada à acrescentar sobre eles e, na verdade, nem concordo que a Dany seja tão carismática como dizem.

Autor: Jeovan Alves

Compartilhar

Porto Seguro, Bahia, Brazil, 12 de Abril de 2020

Jeovan A. dos Santos
16/05/2020