Site de Poesias

Menu

Menina

Aos Tolos.

 

Luxúria e inocência permeiam tua essência mágica,

Confundindo minha mente e instigando o desejo até a insânia.

Menina! Por ti, afundaria no barro da mais pútrida infâmia

A buscar as carícias sublimes de uma noite nostálgica.

Luxúria e inocência permeiam tua essência mágica.

 

És sensual sem vulgaridade. Tão bela e encantadora. Complexa.

Sorris enigmática, tal qual a mulher a qual domina

Com a graça e o mistério de um desconhecido impudor, o qual anexa

Paixões como as das Mil e Uma Noites a esta história que nunca termina!

És sensual sem vulgaridade. Tão bela e encantadora. Complexa.

 

Diante de ti, meu ser hesita, cala, perdido não mais se concentra...

Rodeado pelas névoas de tua sedução invencível,

Fico, como ficaram tantos, com o palpitar acelerado e indizível

De quem nas muralhas do palácio do teu eu, louco, adentra...

Diante de ti, meu ser hesita, cala, perdido não mais se concentra...

 

Anseio por momentos tórridos de beijos: núpcias em teu corpo!

Quanto mais julgo-te distante e proibida, mais intensifico a busca,

Pois que não controlo o desejo de amor, no qual me entorpo

De forma incoercível, prenhe de sentimentos e textura brusca!

Anseio por momentos tórridos de beijos: núpcias em teu corpo!

 

Teu sorriso esgana minha alma e sua tranquilidade deflora.

Tua pele é a pétala a esvoaçar macia em um encontro da máfia,

No qual tu esboças uma graça feiticeira e em desdém a empáfia

De quem brinca com segundas intenções profundas e deplora,

Já que teu sorriso esgana minha alma e sua tranquilidade deflora!

 

És cândida até certo ponto, musa impassível das minhas leituras.

Caminhas tão felina quanto a predadora e exótica tigresa

A qual visa devorar-me vivo literalmente, sem estilísticas figuras,

E anseia servir-me despido em tantálico banquete em tua mesa!

És cândida até certo ponto, musa impassível das minhas leituras!

 

A África a pintar toda sua essência em ti, a impregnar beleza em tua pele!

Que sou perante ti, a pensar todo o tempo em teus lábios, senão escravo?

E teus passos etéreos são suaves, mas queimam como o cravo

Na língua quando a lamber teus pés, tua soberania impele

A África a pintar toda sua essência em ti, a impregnar beleza em tua pele!

 

Menina! Este sentimento tão único é, decerto, a sensação mais bonita

Que já senti em meus muitos anos divagando cego...

A adrenalina que instigas é aquela de Lolita:

Quanto mais venenosa, caliente, impudica, vedada - Me apego...

Menina! Este sentimento tão único é, decerto, a sensação mais bonita!

 

 

Compartilhar
Thiago da Silva Carbone
15/05/2020