Site de Poesias

Menu

Nem isso. Nem aquilo.

(Da série: 

*Quarentena com minha tristeza* P.03)

 

 

02:35 da madrugada. 

Mesmo após o banho 

ainda cheiro a álcool e fumaça.

 

 

O mais engraçado disso 

e que não fumei se quer um cigarro, 

tomei nem se quer 

um copo se cachaça. 

 

 

Minha cama é de casal 

e eu mal tô cabendo nela.

Pior que esta noite passo só,

em cima dela "tá é cheio de problema. 

 

 

Nesta madrugada 

chegamos a zero graus 

deixei a janela aberta.

 

 

Não vou começar com 

"não sinto vontade".

Pois, não estou sentindo vontade 

de não sentir. 

 

 

Tenho mais nada. 

Não há mais nada, 

 

 

nem amor, nem ódio, nem raiva. 

Nem dor, nem ser melancólico, nada!

Nem mais tarde. Nada mais arde, 

nem a saudade. Nada mais...

 

 

Preciso saber 

se meu coração 

pelo menos 

bate. 

 

 

Tudo que ainda sinto,

é porque me limito. 

Não sinto mais fome, sede... 

 

 

Não sinto mais alegria,

mesmo quando 

ouço o quanto 

eu sou bonito. 

 

 

Ainda não sei 

se meu coração 

ao menos 

late. 

 

 

Nem 

isso. 

Nem 

aquilo. 

 

 

São dez para 03 da manhã,

deixei a janela aberta 

p'ra saber se ao menos 

sinto frio. 

 

 

 

 

@alexandre.cezar.fh 

Compartilhar
Alexandre Cezar Fh
19/04/2020