Site de Poesias

Menu

VÍRUS


 
 
 
Do pretérito ao presente o orbe se contagia
Aos poucos, por bactérias e vírus imundo,
Maculando a saúde do povo num submundo
Que é este universo perverso e de alegoria.
 
Gripe asiática, sarampo e o tear da varíola
Já se manifestaram e se tornaram uma tônica
Que juntamente com a vil peste bubônica
Granjearam mortes que mais parece historíola.
 
No pátio da modernidade há bastante estresse:
É H1N1, pneumonia e surtos de meningite
Que infeccionam e nocauteiam a verve sem limite
Da população que hoje sofre, mas acolá esquece.
 
Tudo isso é resposta que não vem de carona
Visto que as criaturas não plantam o que é genuíno,
Logo colhem do produto e não adianta cantar hino,
Porque o homem, anfitrião, trouxe para si o corona!
 
Nas passarelas da existência acontece o contágio
E o vírus, saliente, adentra sem nem pedir licença...
A vida está de luto diante desta pandemia intensa,
Que implode enfermidade para o futuro sem estágio!
 
 
 
DE  Ivan de Oliveira Melo

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
13/03/2020