Site de Poesias

Menu

SONATA DE AMOR


                               
 
 
 
                             Em meu jardim pessoal,
                                 Ó príncipe que sou!
               Quiseste tu fazer morada à minha revelia
                       E meu corpo te dei em fantasia
                   A fim que pudesses exaurir de amor.
               Dentro de mim há um quartel do silêncio
      E donde o sentimento que explode não é nada ilusão,
               Mas fatias de uma ternura em carinho que alicia
      Qualquer sofreguidão em dons homeopáticos de meiguice.
                       Sou Sol e Mar, Lua que se apaixona,
                                  Ó príncipe que sou!
                 Perante o sabor das nuvens eis-me teu
                        A sussurrar em teus ouvidos
                 As doces palavras que me fazem fecundo,
                   Nauta na arte de amar e de transformar
        Teu mundo tão róseo e sedutor em ninhos de amor
             E, assim, poder navegar qual tenaz marinheiro
                            Que busca em mim e em ti
                  O senso não compulsório da entrega,
             Porém da extrema exaustão de ser somente
                          O teu tão sonhado e desejado
                                   Príncipe que sou!

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
08/03/2020