Site de Poesias

Menu

AUTOCÍDIO


 
 
 
 
No espelho de minh’alma, um deserto incontinenti...
 
Dunas fantasmagóricas de uma areia depravada
Que o vento sopra na densa atmosfera dum vazio
 
Onde o silêncio é a única voz que reina, solitária...
Na encosta das nuvens, um clamor ruge de sofreguidão
E, num céu atapetado de estrelas, a eloquência do exílio.
 
A melancolia é a artesã dos conflitos ignóbeis
Que dilacera o âmago enfermo diante das intempéries crônicas
Num desfile de imagens em que o “eu-mim” é a sinagoga
De um estuário onde as preces se perdem no astral metafísico.
 
Saudade é devassidão dum espírito inócuo e estéril!
Rasga-se da vida em busca do infinito sepulcro
Em que a existência, sem oásis, é o derradeiro pântano
Que resta sobre a mefítica esplanada dos covardes:
Indumentária malsã, impiedoso acinte ao desconhecido: o suicídio!
 
 
 
DE  Ivan de Oliveira Melo
 

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
08/03/2020