Site de Poesias

Menu

DOCE INÊS

[Ilustração não carregada]



 
A noite cintila...Fito o universo,
E, num timbre de luz, u!malva estrela
Resplende ao longe em diáfano verso
Que a lua entoa querendo retê-la...
 
E o bardo, então, enternecido ao vê-la,
Viaja em sonho para um tempo anverso
Onde, talvez, num mundo em tudo inverso,
Possa, também versar a musa e  tê-la...
 
Mas, doce Inês: A turba é vil, perversa,
Quer evitar que este amor prevaleça,
E sem pudor nossa vida devassa!
 
Por isso ignoremos tal cabeça,
E fiquemos com o brocardo persa:
“Os cães ladram e a caravana passa”...
 

Compartilhar

C.Itapemirim-ES

Nelson de Medeiros
02/02/2020